Cinema Crítica

Frankenweenie (Tim Burton, 2012)

By on novembro 30, 2012

Que saudades desse Tim Burton…

 Por Rafael Lopes

Em meio a tanta porcaria lançada nos últimos anos, os poucos bons lançamentos de Tim Burton ainda são capazes de fazer sobreviver seu nome, que há algum tempo vem carregado de desconfiança. Em 2012 o exemplo mais prático dessa situação, de um lado um filme ruim, “Sombras da Noite” e do outro, algo que já podemos chamar de obra prima, “Frankenweenie”. Os dois em comum, além do estilo gótico do diretor, possuem o fato de ser um Tim Burton muito preocupado em trabalhar suas influencias, suas inspirações, suas nostalgias. Só que enquanto um é uma produção contém apenas o estilo do diretor, o segundo é um filme que se pode dizer “esse sim é um filme de Tim Burton”!

Primeiro porque a influencia, a inspiração e a nostalgia acima citadas, não estão lá para ser a simpatia do filme. Se em Sombras da Noite tudo era uma forma de deixar o filme legal e tapar seus problemas, Frankenweenie basicamente sobrevive disso. É o Tim Burton que conhecemos. Começo analisando o filme pelo seu protagonista, Victor. Repare que Victor lembra muito Vincent, o protagonista do curta metragem que basicamente lançou Burton, e a semelhança não é somente visual, é o conjunto todo. Victor é Tim Burton brincando de ser criança novamente, metaforicamente explorando tudo aquilo que seria o carro chefe do seu cinema. Tanto que seu professor é idêntico a Vincent Price, deus do cinema de terror e mestre de Burton.

Victor faz filmes caseiros, até em 3D, e tem um simpático amigo canino, Sparky, com quem divide cada minuto de vida. Só que tudo muda quando Sparky sofre um acidente, e apelando para Mary Shelley, constrói um laboratório sinistro e por meio dos raios em uma tempestade, dá vida a seu fiel amigo, dessa vez com remendos, costuras e parafusos no pescoço. Partindo dessa ideia, sem enrolação, Burton sente-se a vontade em criar um universo com a assinatura do cara, cheio de personalidade, cheio de inventividade, cheio daquilo que o tornou um grande cineasta.

A coragem de fazer uma animação em 3D e em preto e branco, a coragem de trazer um tema sério de maneira simples e honesta, a coragem de apresentar à geração Atividade Paranormal o que os museus do cinema de horror tem de melhor, enfim, Tim Burton mais uma vez criando algo íntimo e que lhe faz voltar a ter a confiança do cinéfilo em seu trabalho. E tudo melhora quando os amigos, com inveja do invento de Victor, decidem fazer o mesmo e reviver seus animaizinhos de estimação.

O monstruoso cria uma criatura bizarra, praga aumentada, tipo aquelas tarântulas gigantes dos filmes de horror dos anos 50; o gordinho lembra muito aqueles meninos dos anos 80, que não lembraram que não podia molhar aquelas bolinhas de pelo fofinhas que tornam-se descontroladas criaturas; a menininha bizarra que transforma seu filhinho num demônio, tipo O Exorcista e o melhor deles: o japonês que nos dá de presente o equivalente ao Godzilla. Diferente da estilização do vampiro em Sombras da Noite, tentando fazer lembrar o assustador equivalente dos anos 30 – e que na verdade não passa de um Edward Cullen com mais maquiagem – , Frankenweenie é o uso correto de influencias externas, sem torna-las plásticas ou burocráticas.

Frankenweenie é esteticamente feio, para parecer um filme de horror para crianças, e respeita isso, tipo Paranormam, que goza das mesmas qualidades. Sendo assim, não apela para humor chulo, não se força a ser simpático e tampouco subestima a inteligência com conclusões bobas para suas tramas – ou seja, diferente em tudo da bomba atômica chamada Hotel Transilvânia. Destaco para exemplificar bem isso, Sparky e sua pretendente amorosa, com direito a cabelo esbranquiçado, tipo a noiva de Frankenstein mesmo, e que em minha opinião é o momento onde Burton simplesmente arrebenta, fazendo um resumo do que é o cinema em sua vida de maneira direta, verdadeira e apaixonante. A prova cabal de que ainda existe o velho Tim Burton nesse Tim Burton aí.

 

TAGS
RELATED POSTS

LEAVE A COMMENT

Conheça nossa loja!
Conheça nossa loja!
Pesquisar
Newsletter