,


Crítica – A Outra Terra

Por Rennan A. Julio

 

Obra celebra a reflexão como um todo

O diretor Mike Cahill claramente quer nos fazer pensar, pensar sobre nossos atos, suas consequências e, principalmente, sobre nós mesmos.

Uma garota talentosa e cheia de sonhos logo protagoniza um acidente fatal para dois membros de uma família e, subjetivamente, para os dois sobreviventes: ela mesma e o pai compositor de família John Burroughs (William Mapother seguro e simples no papel).

Rhoda Williams (Brit Marling passando a verdadeira dor do arrependimento), estudante de astrofísica do MIT, então é obrigada a pagar por seu ato cumprindo pena em regime fechado, mas como a garota era menor de idade sua identidade foi mantida em sigilo. Ao ser libertada, a jovem desmotivada e ainda arrependida dá início ao trabalho de limpeza em sua antiga escola.

Enquanto todo o primeiro ato acontece, de fundo ocorre o que, afinal de contas, é o tema principal do filme: a descoberta de uma nova Terra, a “Terra 2”. Exatamente igual ao nosso planeta e com as mesmas pessoas, Rhoda encontra uma oportunidade para fugir de seu desmoronado mundo, assim como para ter a chance de conhecer ela mesma em outro planeta.

A realização de um concurso com a viagem à outra Terra como prêmio é a forma que os roteiristas Mike Cahill e Brit Marling encontraram para a ligação de todos os fatos. Além de colocarem Rhoda como faxineira da casa de John, para que assim todo o arco de personagens voltasse para sua ligação inicial. Para completar, os dois protagonistas começam a se apaixonar.

A relação entre as personagens é sobreposta pelas dúvidas que o filme produz: como você agiria perante sua cópia de outro planeta? Como você agiria depois de matar uma mãe e uma criança?

As respostas não são óbvias, muito menos rápidas de se responder, não é a toa que o filme possui um tom lento, mas um tom bonito. Próximo a uma música clássica, digna do compositor que protagoniza a trama. Sua fotografia enaltece o céu e a Terra-espelho. A Outra Terra funciona como agente da análise. Não tenha pressa para pensar sobre suas ações.

Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Loading…

Loading…

Comments

comments