, ,


Dogma (Kevin Smith, 1999)

Kevin Smith gosta de provocar…

Por Rafael Lopes

O ano de 1999 entre outras coisas, foi caracterizado pelo caos instalado devido à uma profecia de Nostradamus sobre o fim do mundo.

Em 1999 e sete meses,do céu virá um grande rei do terror.
Ressuscitará o grande rei D’ANGOLMOIS.
Antes que Marte reine pela felicidade”
.

E claro, o cinema soube se aproveitar da situação. Filmes como Fim dos Dias, aquela comédia involuntária com ares sérios estrelado por Arnold Schwarzenegger, que se baseava na data citada por Nostradamus (09/09/99) para causar o fim dos tempos (dizendo tratar-se de um 666 deitado); e também aquele suspense amarradinho e bem feito, mas sem muitas pretensões, Stigmata, que tratava justamente do caos religioso com medo de seus próprios dogmas e milagres.

Só que nenhum desses filmes, com o objetivo de tornar o “fim dos tempos” algo comercial, conseguiu um efeito tão brilhante como Dogma. Escrito e dirigido por Kevin Smith, o que temos aqui não é só uma comédia parodiando o que seria o fim dos tempos, mas também, um enredo que nos instiga a pensar em temas polêmicos e sérios como a fé, a credibilidade da igreja e da bíblia e sobre os dogmas que tem embasado a fé cristã por tanto tempo.

É uma obra realmente atemporal e hilária, lançado justamente num ano onde os sentimentos que o filme brinca ficaram tão evidentes. E nada de vinda do anticristo ou beuzebus ou coisa do tipo. O que causaria o fim da existência seria a tentativa de dois anjos rebeldes de voltarem para o céu. Loki (Matt Damon) e Bartleby (Bem Affleck) foram expulsos do céu, mas encontraram uma brecha nos dogmas religiosos onde poderiam voltar sem problema pra casa. E é onde as piadas começam.

A brecha que encontraram foi na divulgação de um padre, que dizia que todo homem que atravessasse as portas da igreja seria perdoado de todos os seus pecados. Os anjos para se tornarem humanos, precisam tirar suas asas fora. O fato é que, esse lance de atravessar as portas e ser perdoado foi assinado pelo papa, e se o papa assinou, Deus concorda. Dessa forma, se os anjos atravessarem e o mundo acabar, a culpa será dos seres humanos. Nisso o diretor tira graça de quão estúpidas as pessoas fanáticas religiosamente são.

Seguindo uma conduta cegamente, deixando de lado seu senso crítico ou o mínimo de inteligência, pura e simplesmente para seguir uma religião que se baseia em fatos descritos por humanos e não por divindades, essas pessoas são o principal alvo das piadas desse filme. Mas que fique claro, o filme não é ofensivo e muito menos pejorativo, apenas lança questionamentos sobre o que o fanatismo julga ser a verdade absoluta e incontestável.

É aí que entra Bethany (Linda Fiorentino). Ela não tem nenhum motivo pra acreditar na fé, pois perdeu a capacidade de ser mãe, perdeu o marido, e dirige uma clínica de aborto onde é vítima de protestos incessantes de cristãos fanáticos. Ela, a pessoa mais improvável do mundo, é escolhida por Metraton, a voz de Deus (Alan Rickman) para ir até a igreja das portas santas, junto com dois profetas – os personagens mais incríveis de Kevin Smith: Jay (Jason Mewes) e Bob Calado (o próprio Kevin Smith) – o 13° apóstolo (Chris Rock) e a Musa Inspiradora (Salma Hayek).

Essas personagens são responsáveis pelos melhores momentos do filme. Uma mulher sem fé e dois drogados escolhidos para salvar a humanidade vão contra aquele pensamento de um ser santo fazer tal tarefa. O 13° apóstolo negro, nos fazendo refletir sobre o fato de o mundo ter a visão de que todos os personagens da bíblia são brancos, mesmo vivendo nos desertos, e sobre a forma masculina de se enxergar Deus. Porque ele não pode ser uma mulher? Porque ele não pode ser Alanis Morisette, como o filme bem brinca.

As ricas personagens de Kevin Smith são encaixadas com perfeição dentro do filme. Cada fala e cada situação na qual são inseridos funciona como crítica ou piada ou discurso. E sendo um filme de comédia, a princípio é complicado de se ver esses temas tão polêmicos e absurdos serem tratados com seriedade. Mas no fim das contas, ele alcança o que quer. Diferente de tantos outros filmes sérios sobre religião e fé, Dogma com toda a sua cara de pau e ironia, consegue sobrepujar as questões levantadas com toda eficiência, tipo A Vida de Brian.

Dogma vai um pouco mais além, oferecendo ao espectador uma visão crítica e bem humorada daquilo que acredita-se ser a verdade. E em nenhum momento o diretor te induz a se rebelar contra a igreja e partir pra cima de seus princípios. Ele respeita muito isso, mas também deixa claro que o fanatismo cego a isso não é bom. Cenas onde ele diz que as pessoas não mais vão à igreja por fé, mas sim, por obrigação, ou o anjo Loki rindo das pessoas que ele conseguiu fazer com que virasse ateu (mostrando a facilidade de se moldar a mente por meio de uma bela retórica, bem como padres e pastores o fazem) são bastante eficiente dentro dessa proposta.

O caminho de auto descobertas de Bethany é deveras importante ser lembrado também. Uma vez que Jesus teve 21 anos para assimilar sua missão na terra, ela tem apenas poucos dias. Certamente, a princípio não entende e não quer tal missão, mas só descobrir que ela é uma das herdeiras de Jesus e a coisa toda muda de figura. Ainda mais quando uma mulher, que foi culpada e por tanto tempo hostilizada pela bíblia e ainda como ser inferior em culturas mais ortodoxas do cristianismo, recebe a missão de salvar a humanidade e a existência.

A sagacidade de Kevin Smith e a ousadia em subverter personagens bíblicos, fazendo piadas sobre eles e teorizando sobre suas existências no mundo são excelentes. O roteiro, também assinado por ele, é só a prova de seu talento. Ele consegue amarrar direitinho seu filme mesclando o fantástico com o real, as ironias com idéias realmente interessantes e tudo isso tecendo relações com a bíblia.

E se ao termino do filme você se sentiu incomodado com as idéias apresentadas, não esqueça que Deus também tem bom humor, e a prova disso são os ornitorrincos. Dogma é um excelente filme, e se encarado com a mente aberta e sem os usuais preconceitos quando se trata do tema, há de se entender as piadas e o sarcasmo sem soar pejorativo do diretor. Sou católico, fui criado com educação baseada no catolicismo, creio em Deus (à minha maneira), e achei o filme válido, interessante, inteligente e em nenhum momento me senti ofendido.

Comments

2 Pings & Trackbacks

  1. Pingback:

  2. Pingback:

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Loading…

Loading…

Comments

comments