, ,


10 filmes com temática LGBT que chamaram a atenção em 2013

10 filmes com temática LGBT que chamaram a atenção em 2013

Há 16 anos, na novela Torre de Babel de Silvio de Abreu, um casal homossexual vivido por Christiane Torloni e Sílvia Pfeifer precisou ser morto numa explosão devido à rejeição do público. Na TV brasileira, personagens e tramas que envolvam os homossexuais além da caricatura típica de humorísticos ainda são raros.

Enquanto no cinema, o filme Asas (Wellman) já mostrava um beijo entre pessoas do mesmo sexo em 1927, o horário nobre global só teve a coragem necessária para isso agora, em 2014, 87 anos depois. Depois de Asas, o cinema nunca deixou de evoluir e abordar cada vez com mais honestidade o tema. Em 2005, tivemos o aclamado “O Segredo de Brokeback Mountain” de Ang Lee, que se mostrou um divisor de águas nesse aspecto, vencendo importantes premiações como o Oscar.

Desde então, diversos longas com temática LGBT são lançados todos os anos. Reduzir alguns desses à simplesmente “teor LGBT” é de extremo reducionismo, a maioria vai além, e mais do que personagens que sentem atração pelo mesmo sexo, mostram vidas e conflitos que qualquer pessoa, de qualquer orientação sexual poderia viver. Confira a seguir 10 filmes que foram bastante comentados, elogiados em 2013 e que merecem a sua atenção.


QUEDA LIVRE (Freier Fall) de Stephan Lacant
O filme alemão gira em torno da vida de dois policiais Marc Borgmann (Hanno Koffler) e Kay Engel (Max Riemelt) que com a convivência, acabam se envolvendo. Marc acaba ficando dividido entre viver o desejo de uma nova experiência e o amor pela sua namorada, que está gravida.

Apesar da premissa aparentemente clichê, Queda Livre se mostra um filme muito eficiente e com personalidade. Chamado por alguns como uma versão moderna de Brokeback Mountain, o longa foca nas descobertas e busca de auto-aceitação de seu protagonista de maneira muito honesta.


OS AMANTES PASSAGEIROS (Los Amantes Pasajeros) de Pedro Almodóvar
No mais recente filme do aclamado diretor Pedro Almodóvar, um avião da companhia aérea Península enfrenta problemas durante um voo para o México, já que um dos trens de pouso não está mais funcionando. Com isso o comandante da aeronave (Antonio de la Torre) é obrigado a voar em círculos, à espera de algum aeroporto que tenha condições para que possam fazer um pouso de emergência em solo espanhol. Durante este período todos os passageiros e as aeromoças da classe econômica são dopados, para evitar que haja pânico generalizado. Os únicos acordados são os comissários de bordo e os passageiros da classe executiva, que, percebendo que correm sério risco de morrerem, decidem abrir o jogo sobre segredos de suas vidas pessoais.

A comédia que tem comissários de bordo gays como protagonistas, rende momentos divertidos. Para quem está afim de passar o tempo com algo mais descompromissado é uma boa pedida.


TATUAGEM (Idem) de Hilton Lacerda
Recife, 1978. Clécio Wanderley (Irandhir Santos) é o líder da trupe teatral Chão de Estrelas, que realiza shows repletos de deboche e com cenas de nudez. A principal estrela da equipe é Paulete (Rodrigo Garcia), com quem Clécio mantém um relacionamento. Um dia, Paulete recebe a visita de seu cunhado, o jovem Fininha (Jesuíta Barbosa), que é militar. Encantado com o universo criado pelo Chão de Estrelas, ele logo é seduzido por Clécio. Não demora muito para que eles engatem um tórrido relacionamento, que o coloca em uma situação dúbia: ao mesmo tempo em que convive cada vez mais com os integrantes da trupe, ele precisa lidar com a repressão existente no meio militar em plena ditadura.

Um dos melhores filmes brasileiros de 2013, Tatuagem transborda arte, liberdade e amor.


CLUBE DE COMPRAS DALLAS (Dallas Buyers Club) de Jean-Marc Vallée
O filme conta a história de Ron Woodroof, um eletricista heterossexual de Dallas que foi diagnosticado com AIDS em 1986, durante uma das épocas mais obscuras da doença. Embora os médicos tenham lhe dado apenas 30 dias de vida, Woodroof se recusou a aceitar o prognóstico e criou uma operação de tráfico de remédios alternativos, na época ilegais.

Uma das sensações dessa temporada de premiações, levou o Globo de Ouro na categoria melhor ator (Mattew McConaughey) e melhor ator coadjuvante (Jared Leto), além de ter sido indicado ao Oscar nas mesmas categorias, e também na de melhor filme. Com um show de atuação dos dois atores que se transformaram fisicamente e se entregaram de corpo e alma à esse trabalho, Clube de Compras Dallas se mostra bastante interessante enquanto retrato da vida de soropositivos em uma década onde a AIDS era considerada uma “praga gay”.


INTERIOR. LEATHER BAR (Idem) de James Franco e Travis Mathews
Um projeto baseado no filme policial “Parceiros da Noite”, de 1980, em que Al Pacino interpretava um detetive investigando o submundo gay de Nova York. O longa marcou a abertura do 21.º Mix Brasil, festival com filmes que tratam de diversidade sexual. Vem sendo bastante comentado e dividindo opiniões.

UM ESTRANHO NO LAGO (L’Inconnu Du Lac) de Alain Guiraudie
Em pleno verão, um lago é usado como praia nudista por vários homens homossexuais. Eles sentem-se à vontade no local e usam o bosque ao lado do lago para ter relações sexuais. Um dos frequentadores mais assíduos é Franck (Pierre Deladonchamps), que um dia faz amizade com Henri (Patrick d’Assumção), um homem solitário que vai ao lago em busca de paz, sem ter qualquer interesse em outros homens. Com o desenrolar dos dias e as conversas constantes, eles se tornam amigos. Só que Franck se apaixona por Michel (Christophe Paou), um novato no lago, sem saber que ele é uma pessoa perigosa.

Considerado o melhor filme de 2013 pela conceituada revista francesa Cahiers du Cinéma, o longa foi selecionado para a mostra Un Certain Regard do Festival de Cannes 2013. Regado à cenas explícitas, o filme é um verdadeiro suspense, onde o clima de tensão e a sensualidade das cenas se confundem.


ALÉM DA FRONTEIRA (Out in the Dark) de Michael Mayer
Nimer, um estudante palestino, e Roy, um advogado israelense, apaixonam-se desde a primeira vez em que se encontram. À medida em que a relação dos dois se desenvolve, Nimer tem que lidar com sua família conservadora e com sua condição de palestino morando em Israel. A situação piora quando um amigo próximo é capturado em Tel Aviv e assassinado na Cisjordânia.

Apesar da atuação fraca de seu protagonista, Além da Fronteira se mostra um filme interessante, afinal ele vai muito além de uma história de amor gay, é uma história de amor entre dois homens de culturas distintas, que tentam viver o amor em meio à um conflito que já dura décadas.


FLORES RARAS (Idem) de Bruno Barreto
Ambientado no Brasil dos anos 50, o filme conta a história do relacionamento entre a poeta norte‐americana Elizabeth Bishop (Miranda Otto) e a arquiteta brasileira Lota de Macedo Soares (Glória Pires). Extremamente rico e, ao mesmo tempo, bastante conturbado, esse relacionamento rendeu frutos que são marcos artísticos universais: de um lado, a poética de Bishop, cujo auge ocorre exatamente no período brasileiro da poeta; de outro, a idealização e construção do Aterro do Flamengo, obra arquitetônica mundialmente conhecida, nascida do gênio delirante de Lota. Ao mesmo tempo, o filme será um passeio pela vida política, privada e pela história brasileira do Rio de Janeiro, na década de 50.

Miranda Otto e Glória Pires se entregam e apresentam nesse trabalho performances encantadoras. Apesar de um tanto quanto formulaico e padronizado, o filme se mostrou uma grata surpresa no cinema brasileiro em 2013. Foi baseado no livro Flores Raras e Banalíssimas, de Carmem Lucia de Oliveira.


MINHA VIDA COM LIBERACE (Behind the Candelabra) de Steven Soderbergh
Esta cinebiografia do famoso pianista Liberace (Michael Douglas) mostra os cinco anos em que o artista namorou Scott Thorson (Matt Damon), em uma relação turbulenta que terminou com um longo processo judicial.

Produzido como telefilme, Minha Vida com Liberace ganhou tanto destaque no ano passado, que acabou quebrando barreiras e concorrendo com outros longas tradicionais no BAFTA (principal premiação britânica de cinema). Além de ter vencido prêmios importantes como o Emmy e o Globo de Ouro. As performances de Michael Douglas e Matt Damon foram super elogiadas.


AZUL É A COR MAIS QUENTE (La Vie d’Adèle) de  Abdellatif Kechiche
Adèle (Adèle Exarchopoulos) é uma garota de 15 anos que descobre, na cor azul dos cabelos de Emma (Léa Seydoux), sua primeira paixão por outra mulher. Sem poder revelar a ninguém seus desejos, ela se entrega por completo a este amor secreto, enquanto trava uma guerra com sua família e com a moral vigente.

Um dos filmes mais aclamados de 2013, vencedor da Palma de Ouro em Cannes, Azul conta com duas performances vigorosas de suas protagonistas e uma direção intensa de seu realizador. Polêmico por conter duas longas cenas de sexo explícito, a fita passa longe de ser um mero objeto de fetiche para os mais conscientes. A evolução de uma jovem, da adolescência até a fase adulta é pontuada de maneira brilhante e muito próxima do espectador, tornando Azul merecedor do status que vem tendo.

Comments

Leave a Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Loading…

Loading…

Comments

comments