, ,

Cute LOL Love OMG Win WTF


Os 15 melhores filmes sobre suicídio

Os 15 melhores filmes sobre suicídio

Arthur Schopenhauer retratada o suicídio como uma mentira, mesmo em um mundo marcado pelo sofrimento. David Hume considerou-o como uma alternativa legítima. Embora possamos concordar ou discordar com qualquer uma dessas posições extremas, podemos aceitar com Albert Camus que o suicídio não deve ser uma questão de pequenas considerações.

O tema do suicídio não foi estranho para os fãs de cinema. Houve uma significativa quantidade de produções que explorou a partir de suas implicações para as suas consequências. Houve também filmes centrados em torno da representação do suicídio como uma questão de interesse estético.

Abaixo está uma lista de 15 filmes sobre o suicídio. Alguns deles teve uma recepção calorosa do público, enquanto outros ganharam o status de cult. Confira:

(Por Taste of Cinema)


15 – A Ponte (Eric Steel, 2006)

A ponte Golden Gate, que atravessa a baía de San Francisco, é um dos mais importantes pontos turísticos dos Estados Unidos. Mas é também o lugar que registra o maior índice de suicídios do mundo. Durante o ano de 2004, o diretor registrou, dia após dia, a rotina nefasta desse cartão-postal. Além do movimento de carros, pedestres e turistas, ele filmou mais de vinte suicídios.
O documentário flagra pessoas que sobem no parapeito da ponte e se atiram. O diretor vai então atrás de depoimentos de familiares e amigos dos suicidas para tentar entender seus motivos. O filme abriu o debate sobre a colocação de grades anti-suicídio na ponte.


14 – Duplo Suicídio em Amijima (Masahiro Shinoda, 1969)

A história de amor de um comerciante de papel por uma geisha. Ela, visada pelo mais rico comerciante local, precisa do dinheiro dos clientes para sustentar a mãe, que morre de fome no interior. Ele, casado e com dois filhos, não vê outra maneira de consumar seu amor – uma vez que ele não tem como sustentar a geisha só para si – a não ser pela morte. Propõe à amada o duplo suicídio na ponte. Ela concorda.


13 – Garota, Interrompida (James Mangold, 1999)

Em 1967, após uma sessão com um psicanalista que nunca havia visto antes, Susanna Kaysen foi diagnosticada como vítima de “Ordem Incerta de Personalidade” – uma aflição com sintomas tão ambíguos que qualquer garota adolescente pode ser enquadrada. Enviada para um hospital psiquiátrico, onde viveu nos 2 anos seguintes, ela conhece um novo mundo, de jovens garotas sedutoras e transtornadas. Entre elas está Lisa, uma charmosa sociopata que organiza uma fuga com Susanna, Daisy e Polly, com o intuito de retomarem suas vidas.


12 – Gente Como a Gente (Robert Redford, 1980)

A morte prematura em um acidente de um dos filhos de uma família de classe média alta acaba afetando a todos, principalmente o irmão da vítima, que se considera responsável pelo ocorrido e está em tratamento psiquiátrico. No entanto a mãe faz questão de manter as aparências, para não dar a entender que a unidade familiar foi quebrada.


11 – Últimos Dias (Gus van Sant, 2005)

Blake (Michael Pitt) é um famoso músico de rock que mora numa mansão mal conservada e isolada do mundo. Caminhando pelos bosques que circundam a casa, interagindo pouco com o grupo de amigos que coabita no local ou tocando música sozinho, ele se fechou em um mundo interior que o torna cada vez mais distante dos outros e da vida exterior.


10 – Sala do Suicídio (Jam Komasa, 2011)

Dominik é um garoto comum. Ele tem um monte de amigos, pais ricos e dinheiro para gastar em roupas de marca. Mas um beijo inocente com um colega muda tudo. Ele sofre bullying e começa a isolar-se do mundo exterior, vivendo todo o seu tempo em seu computador. Ele conhece uma garota anônima que lhe apresenta a “sala suicida”, um lugar do qual não há escapatória. Pego em uma armadilha tecida por suas próprias emoções, Dominik torna-se enredado numa teia de intrigas e gradualmente perde o que ele mais aprecia.


9 – Despedida em Las Vegas (Mike Figgis, 1995)

Em Los Angeles, Ben Sanderson (Nicolas Cage) é um alcoólatra que, após ter sido demitido da produção de um filme, decide dirigir até Las Vegas, onde planeja beber até morrer. Lá conhece Sera (Elisabeth Shue), uma prostituta que também morou em Los Angeles, por quem se apaixona. Ele acaba indo morar na casa dela, sendo que ela respeita o fato dele ser alcoólatra e ele respeita seu modo de ganhar a vida. No entanto, a deterioração dele entrou em um processo irreversível.


8 – Mishima: Uma Vida em Quatro Tempos (Paul Schrader, 1985)

Biografia do romancista, dramaturgo e ator japonês Yukio Mishima. O filme relaciona suas obras a acontecimentos de sua vida, como seu suicídio, que inclui o ritual de ser decapitado por um seguidor após cortar seu abdômen.


7 –  Noite de Desamor (Tom Moore, 1986)

Adaptação da peça de Marsha Norman.

Para Jessie, uma epilética de meia idade, desempregada, com um casamento falido e um filho delinquente, a única maneira de controlar a situação é tirando a sua própria vida.

A mãe viúva, com quem ela mora, só percebe o grau de depressão da filha quando os planos de suicídio se tornam muito aparentes.

A troca que se estabelece entre as duas, enquanto a mãe tenta dissuadi-la, traz à tona todo o ressentimento, compreensão e amor.


6 – As Virgens Suicidas (Sofia Coppola, 1999)

Durante a década de 70, o filme enfoca os Lisbon, uma família saudável e próspera que vive num bairro de classe média de Michigan.

O Sr. Lisbon (James Woods) é um professor de matemática e sua esposa é uma rigorosa religiosa, mãe de cinco atraentes adolescentes, que atraem a atenção dos rapazes da região.

Porém, quando Cecília (Hanna Hall), de apenas 13 anos, comete suicídio, as relações familiares se decompõem rumo a um crescente isolamento e superproteção das demais filhas, que não podem mais ter qualquer tipo de interação social com rapazes.

Mas a proibição apenas atiça ainda mais as garotas a arranjarem meios de burlar as rígidas regras de sua mãe.


5 – O Pacto (Sion Sono, 2001)

Esta é a macabra história do suicídio coletivo de 54 garotas, todas estudantes de um mesmo colégio. Elas se atiram na frente do metrô, causando enorme comoção pública. Uma série de outras mortes de grupos espalhados por todo o país deixa a equipe do detetive Kuroda em pânico. Eles correm contra o tempo e as pistas mais atrapalham do que ajudam. Neste suspense de alto teor psicológico nada é tão simples como parece.


4 – Trinta Anos Esta Noite (Louis Malle, 1963)

O filme narra dois dias na vida de Alain Leroy, um homem angustiado e perdido, que deixava um hospital, onde fazia um tratamento contra o alcoolismo. Sua amante Lydia tenta ajudá-lo quando ele volta a Paris. Alain percorre bares e procura velhos amigos, em uma busca de si mesmo na reconstituição do passado.

Resultado de imagem para Trinta Anos Esta Noite


3 – Ensina-me a Viver (Hal Ashby, 1971)

O relacionamento entre um rapaz de 20 anos com obsessão pela morte, que passa seu tempo indo a funerais ou simulando suicídios, e uma senhora de 79 anos encantada com a vida. Eles passam muito tempo juntos e, durante esta convivência, ela expõe a beleza da vida.


2 – O Rei da Morte (Jörg Buttgereit, 1990)

O segundo longa metragem de Jorg Buttegereit tem como protagonista principal a morte, naquele que é um dos temas recorrentes de todos os seus filmes. Uma menina vai escrevendo o seu diário “Der Todesking” ao longo de sete episódios que percorrem os sete dias da semana, intercalados pela imagem perturbadora de um cadáver flutuando que se vai decompondo. O poder da transgressão e da provocação assente nos fantasmas e receios mais profundos do ser humano.


1 – O Sétimo Continente  (Michael Haneke, 1989)

Georg e sua esposa Anna percebem o quanto suas vidas são isoladas e monótonas quando sua filha Eva, em uma tentativa desesperada para conseguir atenção, passa a fingir estar cega. A família decide então alterar sua realidade e mudar para a Austrália.


Menção – O Gosto de Cereja (Abbas Kiarostami, 1997)

Acompanhamos o Sr. Badii, que viaja de carro pelos campos de Teerã. Ele está procurando um trabalhador, alguém que esteja disposto a ajudá-lo num plano que reflete toda a sua amargura e solidão.

Comments

Leave a Reply
  1. acho que sociedade dos poetas mortos é válido também pra essa lista. A pequena loja de suicídios é lindo demais <3

  2. Olá, filmes muito bons. Poderia citar ainda outros dois, além destes já postados nos comentários: Heróis Imaginários e o excelente e pouco conhecido Para Sempre na Memória (de 1988) sobre o impacto que o suicidio causa no ambiente escolar.

  3. Telma e Louise (Susan Sarandon divando) devia estar entre os cinco primeiros….
    A pequena loja de suicídios…
    2h37 – É Só Uma Questão De Tempo…
    Marcas de um suicídio (Susan Sarandon divando de novo)

    e sem contar no mais fodástico de todos
    “As horas”.

  4. para mim faltou “O hotel de um milhão de dólares” – Win Wenders como diretor e excelente atuação de Mel Gipson

  5. Ola estou fazendo um trabalho sobre esse assunto você saberia me dizer o nome desse filme ? Me interessei por seede um diretora brasileira.
    Agradeço desde ja 😉

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Loading…

Loading…

Comments

comments