, ,

Love Win


15 filmes influenciados pela filosofia de Nietzsche

O filosofo alemão uma vez disse que “A arte é a única força superior contraposta a toda vontade de negação da vida”.

Aqui estão 15 filmes influenciados pelas ideias filosóficas de Nietzsche, como a moralidade mestre-escravo, a vontade do poder,  Apolo vs Dionísio, o Übermensch, ressentimento e eterno retorno.

De Taste of Cinema


15. O Advogado do Diabo

Kevin Lomax (Keanu Reeves) é um homem de sucesso dentro e fora do tribunal. Um jovem advogado de defesa que nunca perdeu uma causa, por pior que seja o crime cometido por seus clientes. John Milton (Al Pacino) é o misterioso e brilhante presidente de uma poderosa firma de advocacia com interesses e clientes no mundo inteiro. O que há de comum entre esses dois homens? Uma tentadora oferta de trabalho, a chance de alcançar o sucesso de uma vez por todas e um segredo que irá transformar a vida de Kevin em uma viagem ao inferno.

O confronto entre Vontade de Poder e Vontade de Prazer (Dionísio) no filme é épico, inesquecível e um problema real dos tempos modernos.


14 – Hitler – A Ascensão do Mal

“Hitler – A Ascensão do Mal” é um filme feito para TV (produzido pela CBS) e sem dúvida foi uma das obras que mais detalhou a vida do ditador alemão no período anterior a Segunda Grande Guerra, desde a infância até a tomada do poder pelo partido Nazista, em 1933.

A história de Hitler é uma aplicação monstruosa da Vontade de Poder. Os nazistas explicaram a filosofia de Nietzsche com seus próprios termos o que fez com que o filósofo fosse esquecido por vários anos após a guerra. Walter A. Kaufmann fez um excelente trabalho de restauração dos valores e dos conceitos filosóficos de Nietzsche.


13 – Feitiço do Tempo

Um repórter de televisão (Bill Murray) que faz previsões de metereologia vai à uma pequena cidade para fazer uma matéria especial sobre o inverno. Querendo ir embora o mais rapidamente possível, ele inexplicavelmente fica preso no tempo, sendo condenado a repetir sempre os eventos daquele dia.

O estimulo do Eterno Retorno é óbvio, compreende a história do filme. Amor Fati é a razão pela qual Phil vive o mesmo dia por vários anos até aceitar seu destino. Em aceitá-lo ele não tenta mudar essa nova realidade.


12 – Manderlay

Após deixarem para trás a cidade de Dogville, Grace (Bryce Dallas Howard) e o pai (Willem Dafoe) acabam por acaso nos portões da fazenda de Manderlay, no sul dos Estados Unidos. Lá Grace descobre uma estrutura escravagista em pleno funcionamento, apesar de estarmos em 1933, quando já fora abolida a escravatura. Ela se envolve então nas relações entre os empregados negros e seus patrões, apenas para descobrir que os laços que regem estas relações são bem mais complexos do que ela pensava.

Há a moralidade mestre-escravo. Os escravos foram tratados como escravos por tanto tempo que uma apresentação imediata de liberdade e valores semelhantes podem parecer errado para eles. Como se pode ter tanta certeza de que o que nós consideramos ser os valores de liberdade e de democracia são tão justos como eles dizem ser?


11 – Flores Partidas

Don Johnston (Bill Murray) é um solteirão convicto, que terminou recentemente mais um namoro. Repentinamente ele recebe uma carta cor-de-rosa, que diz que ele possui um filho de 19 anos. Surpreso e curioso, Don decide então partir pelos Estados Unidos em busca do filho desconhecido.

Os quatro confrontos com suas amantes do passado têm a mesma estrutura, ainda que aparentam ser totalmente diferente. Cada encontro é pior do que o último, mas a reação de Don é quase a mesma. É uma espécie de eterno retorno, em que os eventos não se repetem de forma idêntica, mas permanecem semelhantes entre si. Niilismo pode ser nome do meio de Don Johnston.

O filme considera a percepção de si mesmo e do comportamento depois de exceder as normas morais da sociedade. No mundo de Don, tudo é permitido, mas ele não considera mais esse tipo de liberdades. Cada uma das mulheres tem a mesma importância para Don. Cada uma delas pode ser a autora da carta. Em um eterno retorno, cada opção é uma possibilidade.


10 – Fonte da Vida

Na Espanha do século 16, o navegador Tomas Creo parte para o Novo Mundo em busca da lendária árvore da vida. Nos tempos atuais a mulher do pesquisador Tommy Creo está morrendo de câncer, mas ele busca desesperadamente a cura que pode salvá-la. Uma terceira história une as duas primeiras: no século 26, o astronauta Tom finalmente consegue a resposta para as questões fundamentais da existência

A Fonte da Vida concentra-se no conceito de eterno retorno de Nietzsche. É o mesmo caso que continua a repetir-se infinitas vezes, dentro de uma gama infinita de espaço. Tomas, Tom e Tommy estão atuando em diferentes tempos e lugares, buscando o mesmo objetivo, A Árvore da Vida. Todos eles temem a morte, e todos eles trabalham tão duro para derrotar a morte que se esquecem de viver.


9 – Festim Diabólico

Na cidade de Nova York, Brandon e Phillip assassinam seu amigo David, por considerarem-se superiormente intelectuais em relação a ele. Com toda a frieza e arrogância, resolvem provar para eles mesmos sua habilidade e esperteza: esconderão o cadáver em um grande baú, que servirá como mesa e estará exposto no meio da sala de estar do apartamento deles, durante uma festa que realizarão logo em seguida.

Rupert tinha feito um debate na escola sobre Übermensch de Nietzsche. A discussão levou Brandon e Phillip a matarem um inocente . O Übermensch cria novos valores. Ele se eleva acima dos conceitos de bem e mal. Quando Rupert descobre a verdade, ele sente vergonha de ser a causa deste crime macabro.
De facto, este é o conceito de Übermensch explicado pelos nazistas, bem como o Übermensch visto hoje na cultura popular. Zaratustra, porém, disse que o Übermensch é alguém que supera homem, alguém que cria algo além de si mesmo. Pegar uma arma e matar alguém não é provavelmente o que Nietzsche estava falando quando escreveu sobre essa criatura superior.


 8 – O Triunfo da Vontade

O congresso Nacional-Socialista alemão de 1934 é documentado de maneira impressionante pela cineasta Leni Riefenstahl. No início, um bimotor desce dos céus, Adolf Hitler sai sorridente e é ovacionado pela multidão. Tudo é gigantesco: são paradas, desfiles monumentais e discursos para um público em total catarse. Um espetáculo cinematográfico hipnótico e terrificante que retrata, com imagens fortes, toda a pompa (e a barbárie) do regime nazista.

Leni Riefenstahl – Cineasta oficial do partido Nazista, ao qual nunca se filiou, Leni dispôs de grandes recursos para realizar este documentário e criar efeitos grandiosos. Ela dirigiu também Olimpíadas (Olympia), sobre os jogos Olímpicos de 36, em Berlim, cidade onde nasceu.
Uma artista completa, Leni era bailarina, atriz e sabia dirigir, editar, produzir e escrever.
Trabalhou com foto-jornalismo durante a Segunda Guerra Mundial e foi presa pelos aliados e acusada de fazer propaganda nazista. Desde 52, quando foi inocentada, tem colocado novamente seu grande talento e criatividade a serviço do jornalismo.

Como qualquer outro evento que tem a ver co Hitler mostrará exemplo claro de Vontade de Poder, Lembrando que Força e Poder são conceitos diferentes.


Comments

Leave a Reply
  1. Apesar de não concordar com a visão sexista e limitada que ele tinha, foi um dos poucos que soube resumir bem a existência e suas dúvidas. Autodestruição ou evolução? Acho que sempre foi seu maior dilema.

  2. Oque mais admiro na obra dele,é o fato das religiões como nocivas a evolução da espécie humana.É difícil esquecer a compaixão em lugar da pura lógica.

  3. Apesar de bem intencionados – acredito -, cometeram alguns deslizes grosseiros acerca da filosofia do Nietzsche, principalmente por não terem a compriendido em seu ponto central: a razão a favor da vida e uma busca pela constante afirmação da existência. Clube da Luta nunca seria Nietzscheano, por exemplo, pois ele só preza por uma destruição niilista dos valores, sem tentativas de criar opções viáveis para a afirmação da vida.

    Desse erro de interpretação resultou uma certa confusão nos conceitos enumerados por vocês, como a vontade de poder, o superhomem e o eterno retorno, que ficaram retidos na rasa análise da filosofia de Nietszche como meramente niilista e individualista.

    Um bom exemplo de um filme baseado nas ideias de Nietzsche, que me vem a cabeça agora é o Beleza Americana: uma afirmação a todo custo da vida, a superação do ressentimento e o imoral não como algo desprovido ou contra valores, mas como uma criação de valores não imperativos e segundo a própria vontade.

    A vida é triste e sem sentido, sejamos felizes por isso!

    Abraços!

  4. Fiquei curioso com o dilema. Voc~e pode desenvolver o comentário ou indicar alguma leitura? Valeu!

  5. Eu li algo sim na Genealogia da Moral, mas acho difícil comprar a ideia. Eu penso que a religião é fundamental para a caminhada de nossa espécie nesse mundo. Como poderíamos aproximar as duas perspectivas?

One Ping

  1. Pingback:

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Loading…

Loading…

Comments

comments