15 Filmes Essenciais do Neo-Realismo Italiano

15 Filmes Essenciais do Neo-Realismo Italiano

“Todo mundo poderia desempenhar um papel perfeitamente: ele mesmo.” – Vittorio De Sica

Na Itália, o fascismo e o cinema sempre tiveram uma estranha relação. Depois de milhões de mortes, anos de guerra e violência; o fascismo deixou apenas duas coisas positivas para trás: Festival de Veneza e Cinecitta. O fascismo, como consequência da Segunda Guerra Mundial, deixou milhares de pessoas sem abrigo na Itália. O grande estúdio de cinema Cinecitta, estabelecida por Benito Mussolini em 1937, foi danificado significativamente durante as batalhas e atentados. Isso levou os cineastas a irem para as ruas, para experimentar ação ao vivo.

A geração neo-realista consistiu de escritores, diretores e produtores, incluindo Roberto Rosselini, Luchino Visconti, Vittorio De Sica, Michelangelo Antonioni, Pier Paolo Pasolini, Giuseppe de Santis, Federico Fellini, Cesare Zavattini, Suso Cecchi d’Amico etc …


15. Gente del Po / A Gente do Pó (1943-1947)

Primeiro documentário de Michelangelo Antonioni, onde ele já revela seu estilo consistente em retratar a paisagem interior do homem em sua relação com a paisagem que o circunda.Em Gente del pó, o cineasta documentou a vida dos barqueiros e dos ribeirinhos do vale do rio Pó.


14. Miracolo a Milano / Milagre em Milão (1951)

Uma fábula inesquecível premiada com a Palma de Ouro de Melhor Filme no Festival de Cinema de Cannes. Uma mulher acha um bebê abandonado num jardim. Após a morte da mãe adotiva, a criança é enviada para o orfanato. Aos 18 anos, Totó (Francesco Golisano) vai para Milão. Na cidade grande, mora num terreno ocupado por miseráveis, mudando a vida de todos com sua bondade. Após descobrirem petróleo, a felicidade dos moradores é ameaçada pelo proprietário, que manda a polícia evacuar o local. Quando tudo parece perdido, Totó recebe um presente dos céus, começando a fazer muitos milagres.


13. Stromboli (1950)

Na Itália, após o fim da 2ª Guerra Mundial, Karen (Ingrid Bergman), uma lituana, se casa com um pescador, Antonio (Mario Vitale), para deixar de viver em Farfa, um campo de concentração, pois não conseguiu um visto de emigração para a Argentina. Porém a vida na aldeia de Antonio, que fica numa ilha no Mediterrâneo aos pés do vulcão Stromboli, é bastante dura. Karen não consegue se acostumar a isto, fazendo-a entrar em conflito com o marido e a população local.


12. Riso Amaro / Arroz Amargo (1949)

Produção dividida entre o realismo social e o melodrama passional que projetou mundialmente o cinema italiano e revelou um dos grandes mitos eróticos do pós-guerra: Silvana Mangano. A denúncia das duras condições de trabalho das plantadoras de arroz, no vale do Pó, fez com que milhares de espectadores se divertissem pela ingênua e transbordante sensualidade da atriz, então estreando. Ao seu lado brilharam astros como Raff Valone, que seria galã em numerosas produções internacionais, e o excêntrico e versátil Vittorio Gassmann. O diretor, Giuseppe de Santis, foi um dos idealizadores do movimento neo-realista.


11. Sciuscia / Vítimas da Tormenta (1946)

Um retrato das crianças de rua na Itália pós-guerra. Giuseppe e Pasquale são duas das crianças, dois grandes amigos que vivem de lustrar os sapatos de soldados americanos. Eles dividem suas esperanças e seus sonhos inocentes de um futuro melhor, mas acabam presos numa terrível instituição para menores.


10. Paisa / Paisá (1946)

No segmento inicial um soldado americano, Joe (Robert Van Loon), tem a tarefa de proteger uma jovem siciliana, Carmela (Carmela Sazio), em um castelo velho abandonado. Ela nada diz ou demonstra alguma emoção, enquanto Joe tenta suplantar a barreira do idioma. O 2º segmento se passa em Nápoles, nele um soldado americano negro tem seus sapatos roubados por um moleque de rua. Ele procura pelo garoto e descobre que o menino vive com vários napolitanos sem-teto. O 3º segmento se passa em Roma, nele um outro soldado americano, Fred (Gar Moore), chega na cidade com seu tanque e lhe é oferecida água por uma amável jovem, Francesca (Maria Michi), e ele rapidamente se sente atraído por ela. Meses mais tarde ele está bêbado e a encontra novamente, quando ela caminha pelas ruas procurando “clientes”. Ele então se lembra de Francesca, mas não percebe que a prostituta e Francesca são a mesma pessoa. O 4º episódio acontece em Florença, quando uma enfermeira americana, Harriet (Harriet Medin), e um guerrilheiro italiano tentam atravessar as linhas alemãs. No 5º segmento há 3 capelães americanos: um católico, um protestante e um judeu, que pedem para monges franciscanos autorização para passar a noite no monastério deles. Os monges estão desacostumados com religiosos protestantes e judeus, mas descobrem que estão todos unidos sob o mesmo Deus. No 6º capítulo há um forte tiroteio entre forças britânicas e alemãs, em que há grandes perdas para ambos os lados.


9. I Vitelloni / Os Boas-Vidas (1953)

Em Rimini, uma pequena cidade italiana, Moraldo, Alberto, Fausto, Leopoldo e Riccardo formam um grupo que nada mais faz do que passar o seu dia-a-dia em farras, conquistas amorosas ou estando numa qualquer esplanada ou salão de jogos. São sustentados pelos pais e não têm vontade nenhuma de trabalhar. No entanto, esse modo de vida acaba para Fausto quando engravida a irmã de Moraldo e, à pressa, é obrigado a casar. Uma responsabilidade que ele não quer, até porque a paixão libertina pelas mulheres continua acesa… O filme foi filmado nas cidades de Florença, Rimini e Viterbo, participou do Festival de Veneza de 1954 e venceu o Leão de Ouro.


8. Ossessione / Obsessão (1943)

Itália, início dos anos 40. No miserável Vale do Pó, Giovanna (Clara Calamai), a frustrada dona de uma pensão, planeja com o amante Gino (Massino Girotti, de Teorema) o assassinato do marido. Pela primeira vez no Brasil, Obsessão marca a estréia do grande Luchino Visconti como diretor. Adaptação não autorizada de O Destino Bate à sua Porta, romance noir de James M. Cain filmado outras vezes, uma delas com Jack Nicholson e Jessica Langer; este clássico é considerado por muitos críticos o marco inicial do influente movimento neo-realista, por ter sido filmado quase que inteiramente em locações reais e ter afrontado a ideologia do regime fascista.

Anterior1 de 2

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *