, ,


Os 25 melhores filmes feministas

Os 25 melhores filmes feministas

Há um equivoco comum em afirmar que filmes feministas exploram o ódio ao homem e a luta pela igualdade dos direitos. Esses elementos não fazem justiça a complexidade de um filme feminista.

Por exemplo, cineastas feministas não estão apenas preocupadas com o conteúdo, mas elas também desafiam a noção de heteronormatividade, fecho narrativo, edição, fetichização, objetificação, modos de prazer, temporalidade e espacialidade.

Em experiências com a forma e o conteúdo de um filme, os cineastas feministas estão incorporando perspectivas femininas no mundo do cinema diegético e ao mesmo tempo, desafiando o filme patriarcal. Não é apenas sobre a criação de diferença de gênero, mas é sobre a construção de uma linguagem cinematográfica que pode dar prazer (e desgosto) para uma variedade de espectadores.

Este artigo não se destina a criar uma lista definitiva de filmes que você precisa ver. É uma tentativa de criar uma discussão sobre os filmes que foram elogiados por criar novas perspectivas e novas representações de mulheres no filme. É um ponto de partida a partir do qual pode-se explorar novas vozes femininas.


25. Frozen (Dir. Jennifer Lee, 2013)

A destemida e otimista Anna sai em uma jornada épica, ao lado de Kristoff e sua leal rena Sven, para encontrar sua irmã Elsa, cujos poderes congelantes aprisionaram o reino de Arendelle em um inverno eterno. Encontrando condições de Everest, trolls místicos e um hilário boneco de neve chamado Olaf, Anna e Kristoff enfrentam obstáculos em uma corrida para salvar o reino.


24. Valente (Dir. Brenda Chapman, 2012)

A jovem princesa Merida foi criada pela mãe para ser a sucessora perfeita ao cargo de rainha, seguindo a etiqueta e os costumes do reino. Mas a garota dos cabelos rebeldes não tem a menor vocação para esta vida traçada, preferindo cavalgar pelas planícies selvagens da Escócia e praticar o seu esporte favorito, o tiro ao arco. Quando uma competição é organizada contra a sua vontade, para escolher seu futuro marido, Merida decide recorrer à ajuda de uma bruxa, a quem pede que sua mãe mude. Mas quando o feitiço surte efeito, a transformação da rainha não é exatamente o que Merida imaginava… Agora caberá à jovem ajudar a sua mãe e impedir que o reino entre em guerra com os povos vizinhos.

"BRAVE" (Pictured) MERIDA. ©2012 Disney/Pixar. All Rights Reserved.


23. Frida (Dir. Julie Taymor, 2002)

Frida Kahlo (Salma Hayek) foi um dos principais nomes da história artística do México. Conceituada e aclamada como pintora, ela teve também um casamento aberto com Diego Rivera (Alfred Molina), seu companheiro também nas artes, e ainda um controverso caso com o político Leon Trostky (Geoffrey Rush) e com várias outras mulheres.


22. Erin Brockovich – Uma Mulher de Talento (Dir. Steven Soderbergh, 2000)

Erin (Julia Roberts) é a mãe de três filhos que trabalha num pequeno escritório de advocacia. Quando descobre que a água de uma cidade no deserto está sendo contaminada e espalhando doenças entre seus habitantes, convence seu chefe a deixá-la investigar o assunto.


21. Tomates Verdes Fritos (Dir. Jon Avnet, 1991)

Evelyn Couch (Kathy Bates) é uma dona de casa emocionalmente reprimida, que habitualmente afoga suas mágoas comendo doces. Ed (Gailard Sartain), o marido dela, quase não nota a existência de Evelyn. Toda semana eles vão visitar uma tia em um hospital, mas a parente nunca permite que Evelyn entre no quarto. Uma semana, enquanto ela espera que Ed termine sua visita, Evelyn conhece Ninny Threadgoode (Jessica Tandy), uma debilitada mas gentil senhora de 83 anos, que ama contar histórias. Através das semanas ela faz relatos que estão centrados em uma parente, Idgie (Mary Stuart Masterson), que desde criança, em 1920, sempre foi muito amiga do irmão, Buddy (Chris O’Donnell). Assim, quando ele morreu atropelado por um trem (o pé ficou preso no trilho), Idgie não conseguia conversar com ninguém, exceto com a garota de Buddy, Ruth Jamison (Mary-Louise Parker).


20. Uma Mulher Descasada (Dir. Paul Mazursky, 1978)

Trajetória de uma mulher que busca reconciliação com sua identidade e com a sexualidade após ser trocada por outra mulher e ver acabar um casamento de 16 anos.


19. Tudo Pela Vida (Dir. John Sayles, 1992)

Vítima de um acidente, atriz de novela(Mary McDonnel) interrompe sua carreira para recuperar-se em sua cidade natal, na casa dos pais. Torna-se o terror das enfermeiras, até que Chantelle(Alfre Woodard), mulher negra de índole calma, consegue tranquilizá-la. Apesar das diferenças, as duas acabam tornando-se amigas.


18. A Cor Púrpura (Dir. Steven Spielberg, 1985)

Em 1906, em uma pequena cidade da Georgia, sul dos Estados Unidos, a quase adolescente Celie, violentada pelo próprio pai, torna-se mãe de duas crianças. Separada dos filhos, Celie (Whoopi Goldberg, que foi indicada ao Oscar de melhor atriz por este filme em 1985), é doada à Mister (Danny Glover, de Máquina Mortífera), que a trata como companheira e escrava ao mesmo tempo. Cada vez mais calada e solitária, Celie passa a compartilhar sua tristeza em carta. Baseado no livro de Alice Walker, A Cor Púrpura recebeu 11 indicações ao Oscar em 1985 e já é considerado um clássico do cinema. Ao recriar 40 anos de crises emocionais na vida de vários personagens, o diretor Steven Spielberg ( O Império do Sol) fez o filme mais desafiante de sua carreira, capaz de despertar fúria, risos e lágrimas.

Comments

Leave a Reply

One Ping

  1. Pingback:

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Loading…

Loading…

Comments

comments