,

Pelo em Ovo – 5 referências ocultas em O Sétimo Selo

A seção Pelo em Ovo é basicamente uma crítica baseada em teorias ilógicas ou improváveis. O filme da vez é O Sétimo Selo, de Ingmar Bergman (1957).


Recentemente, o Cine Itaú me proporcionou uma de minhas melhores experiências: ver O Sétimo Selo nas telonas!

Como não era a primeira vez que estava vendo o filme, pude observar algumas “referências” naquele estilo Pelo em Ovo de sempre!

Não encontrei quase nada que comprovasse as teorias e percepções que tive.
Compartilho-as, então, neste instante!

SPOILER ALERT (vou tentar maneirar, prometo!)


 

5 – O nome Block do protagonista foi realmente pensado

Durante todo o filme, acompanhamos Antonius Block em um tipo de jornada de peregrinação, em busca de uma verdade e autoconhecimento.

E durante seu caminho, Block contesta Deus. Porém, ele tem medo desse questionamento e dessa dúvida que possui perante a imagem divina.

A todo tempo, o notamos questionando a existência de um ser maior com receio, com um bloqueio ao fundo. Um bloqueio convencional que o faz andar por uma linha tênue que separa o vazio da crença religiosa.
Daí o nome Block (de bloqueio).

A sua atitude no último encontro com a morte pode mostrar isso bem!


4 – O padre do mal é uma analogia ao clássico O Médico e o Monstro, de Robert Louis Stevensson (1886)

Bem, não há indícios de que isso seja certo, porém a fala de Jons (companheiro niilista de Block) ao ver o padre tentando abusar da garota no celeiro após ter roubado um cadáver explicita bem a dualidade que havia dentro do “padre e monstro”.

O personagem, o qual defendia a ida à Cruzada e a palavra do bem, se tornou um bandido provocador durante a época da Peste Negra na qual o filme era situado.

Essa parte vai ser bem pessoal, mas a cena em que o padre falece, me lembrou de uma passagem do livro O Médico e o Monstro de Stevensson, na qual o monstro procura o antídoto para a maldade.


 

3 – A “dança da morte” é uma alusão ao quadro A Parábola dos Cegos, de Bruegel (1568)

A última cena do filme, na qual temos os personagens de mãos dadas com a morte sentido a algum lugar é uma referência ao quadro A Parábola dos Cegos, do pintor Pieter Bruegel, de 1568.

Como podemos ver na pintura, há 6 zumbis pessoas caminhando justamente igual à cena do filme de Bergman.

No quadro, não conseguimos ver se há alguém segurando a mão da última pessoa à direita, a qual poderia ser muito bem a morte!


2 – O personagem de Jof era uma referência a Charles Chaplin

É impossível não notar a semelhança entre o ator Jof do filme com o lendário Chaplin. Desde o início do filme, vemos as trapalhadas do personagem muito parecidas com as que o Vagabundo fazia em seus filmes.

Toda a bondade e a fantasia de Jof me fizeram o associar com Chaplin em diversos filmes.

Em muitos momentos me lembrei do personagem Calvero, de Luzes da Ribalta (1952).


1 – A moça que fugiu com o outro ator era uma referência à Cunegonde, do livro Cândido e o Otimismo, de Voltaire (1759)

Acho que essa foi a referência mais clara para mim!

Cândido busca Cunegonde praticamente durante todo o livro e em todos os cantos do mundo.
E o ator, em uma de suas falas, comenta que buscava um grande amor. E quem ele acaba encontrando? Kunigonda!
A moça disse que se chamava Kunigonda para ele. Uma clara referência!

Bom, também acho os desfechos de ambos os personagens de certa forma associados, mas calma!
Não irei “spoilerzar” o final da obra de Voltaire não, pois este é um livro que recomendo a todos!


Não faço a mínima ideia se as referências estão certas ou não, mas esse é simplesmente o intuito!
Este é o Pelo em Ovo!

Comments

Leave a Reply
  1. Felipe, eu como cinéfila afirmo que nunca vi alguém com críticas tão parecidas e abrangentes como as minhas… Fico feliz que existam mais pessoas que não veem apenas o que a tela joga na cara, mas também o conhecimento por de trás dela! Bergman, Lynch, Nolan… Mestres em entrelinhas e plot twists… (: Parabéns pelo post!

  2. Excelente crítica mesmo… Passei horas lendo sobre as diversas referências que você citou. Me maravilhei com as obras de Bruegel, que nao conhecia. Na obra que você citou, todos os personagens são cegos, um guiando o outro para o abismo… o filme realmente capturou muito do que o artista queria expressar. No quadro “Jogos Infantis (1560)”, é possível ver que ele destacou mais de 80 tipos de brincadeiras da época sendo executadas por centenas de moradores em um pequeno povoado, tudo é alegria e felicidade, mas olhe mais de perto e verá que o quadro não quer mostrar apenas isso, uma figura taciturna e sem olhos numa janela à esquerda da tela… é o rosto do desespero, talvez a maneira como Pieter quis mostrar a inconsciência das pessoas, como a humanidade segue cegamente seus piores instintos, seja de dor, ou de cólera, também retratada em vários de seus quadros.

  3. Buenas, Felipe. Acho sempre divertida sua coluna, mas só lembrando algumas outras leituras pras referencias. Sobre o nome Block, também acho que poderia ser proposital a referencia a um bloqueio, mas vale lembrar que um dos temas recorrentes do filme é o silêncio de Deus, que alimenta as dúvidas do cavaleiro. Acho que as referencias que vc apontou não seriam de um bloqueio, mas a dúvida perante a ausência de respostas de Deus para suas questões.
    Noutra, a dança do final, pra mim, tem algumas referencias mais claras: “a dança da morte” é uma expressão bastante antiga e comum, presente inclusive na filosofia; encerrar peças com danças eram muito comuns no teatro e o texto de Sétimo Selo foi inspirado em uma peça do próprio Bergman, ademais há várias referencias ao teatro ao longo do filme. O paralelo peça teatral/jogo/encenação da vida é mais que objetivo.

  4. Obrigado, Dr. Gonzo!
    Bacana te ver comentar mais uma vez, suas dicas são sempre bem-vindas!
    Sobre a peça teatral, interessantíssimo! Saberia dizer qual o nome da mesma?

    Abs!

  5. Grande Herbert! Obrigado por comentar!

    Que bela leitura fez do quadro “Jogos Infantis”… fui procurar para notar o que colocou!
    E realmente, acho que o artista quis passar essa “cegueira” da humanidade perante aos caminhos da vida! Justamente igual “A Parábola”!

  6. Esse filme é sueco, então, o nome Block significa a mesma coisa em inglês que realmente significa em sueco? Por exemplo, no Google Translate quer dizer “almofada” e também não dá pra saber a etimologia desse nome na Suécia. É pelo em ovo, mesmo.

  7. Obrigado, Thyago!
    Confesso que viajei mais em algumas (como é o caso do “Block”, haha)…
    Valeu por comentar!
    Abraço!

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Loading…