, ,

Love WTF


10 filmes que chocam sem serem considerados “trashs”

10 filmes que chocam sem serem considerados “trashs”

 

Esse ano fiquei sabendo que Centopeia Humana estava em seu 3º filme (QUÊ? Jura que esse filme virou uma franquia?).

Longe de ser digerível, o filme (pelo menos) me fez pensar em uma lista: 10 filmes que chocam sem precisar matar, cortar as tripas, costurar lábios com vocês-sabem-o-quê, e etc…

Então, caros, essa lista não vai ter Saló, Serbian Film, Holocausto Canibal e essas outras produções trashs que te fazem regurgitar pelos cantos… Mas sim filmes que te chocam como um todo.

Deixando claro que haverá cenas fortes nos filmes sim, mas que a perturbação não advirá somente delas, mas sim da obra como um todo.

Hum… não sacaram ainda? Confira abaixo.

(vou maneirar nos spoilers, prometo!)


 

10 – A Pele que Habito (Pedro Almodóvar – 2011)

Filme bem perturbador de Almodóvar que conta a história de um cirurgião plástico que desenvolve uma pele extraforte após um acidente com sua esposa. Essa pele terá importância com o desenrolar da novela história.
A trama foi muito bem escrita, assim como todos os filmes de Almodóvar, e perturba por si só.

Nível de “chocância”: 3/5

Pele para todo lado? Não…

9 – Amor (Michael Haneke – 2012)

Haneke poderia compor essa lista sozinho, pois todos os seus filmes intimidam de uma maneira que nem sei ao certo como descrever.
O filme conta a história de amor de um casal de idosos frente a uma adversidade da vida.
Que final desconcertante, caros… Que final!

Nível de “chocância”: 4/5

Uma comédia romântica…

 

8 – Festa de Família (Thomas Vinterberg – 1998)

O longa retrata uma festa de uma família unida, assim como essas reuniões familiares devem ser.
Agora acrescente algumas pitadas de polêmicas e bem… Temos um filme bem perturbador de Vinterberg!

Nível de “chocância”: 4/5

Um Natal como os outros.

7 – Mistérios da Carne (Gregg Araki – 2004)

Dois garotos tomam diferentes caminhos após um acontecimento no passado. Um (Brady Corbet) acha que foi abduzido por alienígenas, enquanto o outro (Joseph Gordon-Levitt) segue a vida sem um rumo certo.
Choca bastante pelo tema abordado, o qual é bem pesado!

Nível de “chocância”: 4/5

ET?

6 – Dançando no escuro (Lars Von Trier – 2000)

Von Trier também tem um dom de perturbar que vou te falar…
O filme (meio musical) conta a história de uma mãe tcheca que reside e trabalha nos EUA para pagar uma operação para o filho.
Não vou “spoilerzar” o filme, mas digo: perturba por mostrar a pior face do ser humano.

Nível de “chocância”: 4/5

Entre danças e lágrimas.

Obs: poderia colocar outros do Von Trier, mas coloquei este porque foi o que eu mais gostei.


5 – Réquiem para um Sonho (Darren Aronofsky – 2000)

Uma visão perturbadora sobre o vício. Acompanhamos a história de pessoas viciadas em diversos tipos de droga (heroína, comprimidos, programas de tv…).
O filme fica na sua mente após o término junto com aquela música angustiante…

Nível de “chocância”: 4/5

Bateu…

4 – O Vídeo de Benny (Michael Haneke – 1992)

Ah, Haneke… Pra que fazer isso?
Acho que foi um dos filmes que mais fiquei injuriado ao término. Minha vontade era de entrar na tela e resolver a parada toda.
Conta a história de um mimadinho adolescente que assassina uma colega da escola, filma tudo e conta para os pais.
Passei uns dias pensando naquele final…

Nível de “chocância”: 5/5

Benny, Benny…

3 – A Gangue (Myroslav Slaboshpytskiy – 2014)

Vi este filme esse ano no CCSP e saí de lá boquiaberto…
O filme tem uma proposta diferente: ele foi totalmente filmado em linguagem de sinais, ou seja, não tem fala alguma.
Conta a história de um garoto surdo e mudo que acaba entrando pra uma gangue que comete alguns delitos por aí.
Choca pela frieza do protagonista e pelo final “um tanto quanto” pesado.

Nível de “chocância”: 5/5

“Vamos ferrar a sua mente” em linguagem de sinais…

2 – Incêndios (Dennis Villeneuve – 2010)

História de uma mãe que ao falecer, pede para ser enterrada nua de costas e deixa dois envelopes aos filhos pedindo para que os mesmos sejam entregados ao irmão perdido e outro ao pai.
Choca pela história que cruza aqui, cruza dali e no fim acaba como um incêndio mesmo.
Porém, queimando a sua mente…

Nível de “chocância”: 5/5

Queimando sua mente.

1 – O Sétimo Continente (Michael Haneke  – 1989)

Vai ter Haneke, sim! E se não gostar, vai ter Haneke em dobro!
Esse cara é causão expert nesses temas e sempre vem com essas pedradas (2017 sai o novo dele, hein!).
Em O Sétimo Continente, acompanhamos uma família que cansada da rotina entediante, decide se suicidar (não é spoiler porque isso já é anunciado antes).
O filme choca pela frieza das cenas (como a que eles jogam toda a grana pela privada) e me deixou paralisado por um bom tempo após o término.
Pra que isso, Haneke?

Nível de “chocância”: 6 5/5

Domingo na TV…

Written by Felipe Yuzo

Aquela dose de alma na penumbra diária.

Comments

Leave a Reply
  1. Gostei muito da lista, ainda não vi todos, mas os que vi são realmente chocantes.
    Creio que faltou um pouco de cinema nacional, acho que “O Lobo Atrás da Porta” de Fernando Coimbra, o roteiro é impecável, assim como o desenrolar e o final da história. Fiquei perturbada com o final por dias.

  2. Olá!!! Gostei muito da lista, pois foge dos filmes bizarros (como os que foram citados na sua introdução). Já marquei alguns para assistir. Obrigada por não dar spoilers, mas confesso que só aumentou a minha curiosidade em saber os finais!!
    Abraços e até a próxima lista de filmes!

  3. Não conhecia esse, Thalita!
    Mas vou tentar ver e quem sabe ele aparece na parte 2 que, certamente, irei fazer!

  4. Obrigado, Maiara!
    Essa era a ideia! Fugir dos filmes mais bizarros!
    Fique atenta que tentarei postar a parte 2 em breve! 😉

  5. Adorei! Da lista só não vi uns dois, mas acabei de baixar e hoje mesmo já assistirei!! Parabéns e espero ansiosa a parte 2!
    O legal também é ver os comentários com mais dicas de filmes assim… amei!

  6. Tem um curta em que um garoto (Eric) sofre bulling de um cara mais velho (Scott). Depois de muita humilhação o garoto se vinga, planejando a morte dos pais do bully, manipulando uma série de pessoas, inclusive seus melhores amigos para fazer com que Scott coma a carne dos próprios pais num festival de chilli.

    O nome? South Park (O nome do episódio é Scott T. Deve morrer)

  7. Gustavo, sou muito fã de South Park e esse episódio é realmente pesadinho, haha.
    E ainda mais pesado foi quando o Eric descobriu (em outro episódio) que era meio irmão do Scott… lembra? hahaha

    Mas South Park é bem mais um humor negro mesmo, acho que eles não têm essa premissa de chocar!

  8. “Um Corpo que Cai”, do nosso mestre do suspense também me fez sair com depressão do cinema.

  9. Muito bom, tem um filme nacional que eu achei bem chocante, chama-se: “O lobo atrás da porta” o filme é inteiro pesado, tenso, e no fim é meio inesperado!

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Loading…

Loading…

Comments

comments