, , ,

Love Win

HE IS BACK

Escrito, produzido e dirigido por M. Night Shyamalan, seu novo filme é um thriller psicológico com um personagem que sofre de Transtorno Dissociativo de Identidade.

O diretor M. N. Shyamalan voltou a fazer filmes como no inicio de sua carreira, com um orçamento mais modesto e um formato mais próximo do independente.
Remetendo ao estilo que o consagrou desde seu primeiro e reconhecido sucesso com o filme Sexto Sentido, até hoje considerado seu melhor trabalho, o diretor enfrentou altos e baixos em sua carreira. Com seu filme seguinte, Unbreakable (adaptado para Corpo Fechado no Brasil) e depois Sinais que foram bem recebidos, A Vila já recebeu muitas criticas negativas por conta do final que dividiu opiniões, fato que se repetiu no filme A Dama na Água.

O motivo apontado por muitos é que apesar de ter um certo domínio da técnica, sua carreira ficou conhecida pelo uso do Plot Twist, recurso ao qual seus filmes sempre trazem um final surpresa, com uma grande virada ou revelação. Porém justamente essa ferramenta que foi bem utilizada nos seus primeiros trabalhos, acabou por tornar-se uma muleta que usada repetidas vezes acabava prejudicando o Ato Final de suas Obras.

Depois o diretor se rendeu as Grandes produções O Último Mestre do Ar e Depois da Terra, apesar da boa bilheteria, ambos esquecíveis. Logo não tardou para que o diretor que foi considerado uma das novas apostas de Hollywood, tivesse sua qualidade questionada e se possuía talento de fato Após um tempo afastado das Grandes produções, o Diretor retornou com um filme menor, intitulado A Visita e teve uma boa recepção da critica. Logo após ele anunciou seu novo projeto e manteve segredo até do elenco, o nome desse projeto: SPLIT (Fragmentado no Brasil).

Em entrevistas o Diretor especulou que esse seria um filme fake, o que causou estranheza e atiçou ainda mais a curiosidade por trás dele. Um filme com poucos personagens, sem estrelas de renome, mas com destaque especial para a talentosa jovem atriz Anya Taylor-Joy, conhecida pela excelente atuação no filme A Bruxa. Para o papel principal o diretor escalou James Mcvoy, hoje reconhecido mundialmente pelo papel do Professor Charles Xavier da franquia X-Men. Porém James Mcvoy, de origem escocesa, ganhou seu primeiro destaque ao interpretar o Fauno S. Tumnus em As Crônicas de Nárnia – o Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa da obra do autor C.S Lewis.

James Mcvoy tem pelo menos duas grandes atuações, nos filmes O Último Rei da Escócia e Desejo e Reparação (adaptação do romance homônimo do autor Ewan Mcwan). O diretor relata que escolheu James M. por acreditar que ele se encaixava perfeitamente com o que ele necessitava, curiosamente eles se conheceram em uma Comic-Con.

Apesar do roteiro simples, da narrativa linear, na maior parte da projeção, o diretor filma sempre em espaços fechados, com ângulos próximos aos personagens, onde a câmera acompanha a visão dos personagens, criando uma situação de confinamento, aumentando o clima de claustrofobia para o espectador. James M. interpreta Kevin, que sofre de TDI (Transtorno Dissociativo de Identidade), ele tem 23 identidades distintas e uma 24ª para aflorar. Kevin então sequestra 3 meninas e a história se desenrola a partir dai, usando o minimo do recurso do flashback.
O destaque do filme vai para a atuação mais que inspirada de James M., há que se elogiar seu trabalho de composição do ator para as cenas. Sua entrega é tamanha que o ator representa um personagem e quando sai pela porta e retorna por ela, ele é outra pessoa. Não só na voz, mas também como nos trejeitos e na expressão corporal.

Durante o desenvolvimento do enredo vão surgindo outros personagens e aparecendo pistas do que esta para acontecer, assim como nos outros filmes do diretor. Chegando ao Ato Final, como não poderia deixar de ser nos seus filmes, o clímax apresenta uma cena que a principio fica deslocada e destoa completamente do tom realista do filme, fato que desagradou algumas pessoas. Mas para quem acompanha a Filmografia do diretor, a cena final que esta no melhor estilo pós-crédito, somos brindados com o retorno de um personagem muito importante, assim oficializando o Shyamalanverse.

Mas o que seria isso?
É o inicio de um projeto antigo que sempre fez parte dos planos do diretor, que seria revisitar o universo de alguns de seus personagens.
Alguns detalhes sobre o filme, o diretor tinha filmado outra cena final para o personagem de Kevin, mas depois a achou sombria demais e a modificou.
Originalmente o filme tinha mais cenas, mas para o Corte Final foi preciso reduzir por conta da metragem, algumas cenas foram modificadas, outras retiradas, nada que alterasse o resultado final, mas importante dizer que nesses cortes, um personagem do filme foi completamente apagado da história.

Interessante dizer que a pista de qual história ele queria retornar esta já no cartaz de divulgação do filme. Quem esta mais familiarizado com o trabalho do diretor já podia ver uma dica ai.

Agora só nos resta esperar o próximo projeto do M. N. Shyamalan e ver como ele vai desenvolver o universo criado para isso.

Written by Keitarô Urashima

Cinéfilo inveterado, critico, nerd, cineclubista.
Vindo de uma galáxia muito distante após uma longa jornada na Terra Média.
De volta a Batcaverna.