, ,


Reasons to See – Last Chance Harvey (Tinha Que Ser Você)

A cumplicidade do destino.

Last Chance Harvey (Tinha que ser Você) não é mais do que uma visita ao que mais receamos – coragem para os nossos mais desejados atos. Filme de 2008, com direção e argumento de Joel Hopkins, conta com Dustin Hoffman no papel de Harvey Shine e Emma Thompson, no papel de Kate Walker.

Estas duas personagens começam a sua história como mero estranhos, contudo mais tarde as suas vidas irão cruzar-se e desta relação muitas questões serão postas à prova. Para nós espectadores é mais uma oportunidade de ficarmos sentados a refletir sobre a vida, enquanto lutam dentro da tela pelas mesmas respostas que nós tentamos obter.

Sem mais demoras aqui vos deixo algumas das razões para verem este “romance”, com alguma comédia à mistura. Não se deixem enganar pelo rótulo “romance”.

  1. Aqui e agora.

    Sabem quando tudo parece um pouco fora do círculo? Pequenos momentos que parecem situar-se num tempo e espaço da vida em que para nós nada faz sentido. Talvez para alguns de nós isto que vos falo não faça sentido, mas imaginem-se com 60 anos, com um vida já feita e sentirem-se ainda desta maneira.

    Harvey e Kate representam este desencaixe, este sentir que algo está perdido ou em falta. Tudo o que acontece na ligação entre estes dois, dar-nos-á uma enriquecedora lição de como tudo poderá funcionar. De como olhar para este desencaixe com olhos de ver.

  2. Sonhos e Amores.

    O que valerá realmente a pena, o nosso trabalho, o nosso sonho, onde vivemos, quanto dinheiro temos ou o que conhecemos? Será o amor? Bem estas e outras questões vão andar na cabeças dos nossos personagens.

    Principalmente, na minha opinião, o Amor, as relações, e como em muitos outros, este é um bom filme para vermos a faceta não “clichê” deste mesmo. Tantas vezes, principalmente em romances, temos o estudo do amor e do destino como contos de fadas, encontros magníficos e finais felizes, no entanto não passam disto – contos. Aqui, pelo contrário, vêmos uma faceta realística do Amor, do Destino. Algo que, por muito fictício que pareça, é de tomar em conta na nossa realidade.

  3. Mudanças.

    Mudarias tudo no encontro de algo novo? Harvey perguntará o mesmo.
    Sejamos sinceros, quantas vezes já nos questionamos sobre o que fazer com as palpitações fortes, medos, escolhas repentinas? Metade das vezes sentimos que estamos malucos por tomar isto tudo em conta, sabendo que a mudança virá assim que abrirmos a boca para dar a tal resposta.

    Mas o que este filme nos dá a ver é que, por mais que tentemos fugir de algo que sentimos ser genuíno mas que temos pavor, sabemos que tem de ser feito, pois é aquilo que somos.
    Harvey e Kate estão connosco nesta jornada.

  4. Comédia.

    Cada piada no seu momento único, momento este que partilhado tem um gosto bem perfeito. Não acham que tem piada quando deparamos-nos com seres humanos que tentam entender a sua própria espécie, como se de um quebra-cabeças se tratasse, através de conversas que tem com outro da sua espécie? Verão no filme o que aqui vos falo, mas acho hilariante esta procura, esta honestidade, esta confusão.

    Faz e sempre fará parte de nós, certo?

  5. Força de Vontade.

    Não é fácil ceder ao que achamos ser certo para nós quando estamos rodeados de outros, quando temos mil e uma raízes a segurar-nos (ou que achamos ter), aqui a força é bruta e é lindo estar presente nas decisões destas personagens e é revelador observar as raízes a deixarem de ter importância e entendermos que as estas criaram-nos mas que não nos seguram, estão lá para nos fornecerem conhecimento, sabedoria, mas que não somos só raízes, temos outros membros que se desejarmos podemos usar para sermos livres.

    Basta ter coragem para largar tudo e ser, só ser. Kate e Harvey ajudam-nos nisto.

 

Espero que vos tenha deixado um bichinho da curiosidade sobre Tinha que ser Você (Last Chance Harvey), se sim então não se esqueçam de assistir e recomendar!

Aqui fica o trailer:

Written by Daniela Maia

Entusiasta por tudo o que é belo, espetacular, sensível e por tudo o resto que me é difícil nomear.
Nasceu e vive, para já, em Portugal.

Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Loading…

Loading…

Comments

comments