, ,


Reasons to See – Fathers and Daughters (Pais e Filhas)

A destreza do medo.

Irá quebrar muitos corações, disto tenham a certeza, mas valerá cada lágrima. Peço-vos, mais uma vez, que não se deixem levar pelo pensamento que o título possa trazer, não se trata de um romance nem de uma comédia sobre a mundana relação entre um pai e uma filha, é muito mais do que isso. É, sem sombra de dúvida, um filme a ver.

Fathers & Daughters (Pais e Filhas) (2015), um filme de Gabriele Muccino (In Pursuit of Happyness) e escrito por Brad Desch, com Russel Crowe, Amanda SeyfriedAaron Paul, entre outros, irá quebrar muitas cabecinhas que por aí andam. As representações são de cortar o fôlego e de nos encolher no sofá com um lenço sobre os olhos. A direção da narrativa está imensamente bem trabalhada, dá apenas o suficiente, deixando o espectador na ânsia de mais.

Sem mais demoras, aqui vão algumas razões para ver Fathers and Daughters:

  1. Dor.

    Sabemos, minimamente, que as experiências que consideramos serem as piores, são as que nos lembramos com mais vivacidade, pois estas foram dolorosas, deixaram marcas e sabemos também que estas mesmas dores e marcas são, supostamente, as que nos ensinam mais.

    Este é um filme sobre tal. Como experiências que nos vão acontecendo, condicionam o modo como observamos e nos encaixamos no mundo.

  2. Ofegante.

    Penso que não haverá melhor adjetivo para qualificar Fathers and Daughters, do que este – ofegante. Esta longa metragem é insaciante, fugaz e impossível de largar.

    Tanto pelo argumento como pelas representações divinais destes atores, irão ver como tenho razão.

  3. Maus Hábitos.

    Com Pais e Filhas, distinguimos a necessidade que o ser humano tem em lutar. Uma luta constante, em que a tentativa de sairmos de nós mesmos é primordial, de afastar pensamentos, medos e maus hábitos.

    A força de mudar algo em nós, que nos assusta por termos a consciência de que é errado, é um dos temas principais desta narrativa.

  4. Aparências.

    Viciante é entender que todos os personagens que vão jogando connosco, têm os seus problemas e que só aos pouquinhos é que são revelados. Nunca conseguimos completar o puzzle sozinhos, as peças deste são meticulosamente separadas para que sigamos o ritmo que este carece.

    Não só entramos neste jogo para esperar, como também para sermos manipulados, pois esta espera não é meramente para que observemos os personagens, mas sim para mostrar que, sem todas as peças, acabamos por criticar e julgar o que estes fazem. Esta é a realidade de todos os tempos.

    Um jogo brilhante e inteligente.

  5. Russell Crowe e Amanda Seyfried.

    Representações formidáveis, personagens e texto bem distribuídos ao longo da narrativa. E como já disse, a história não nos é entregue numa bandeja, o que torna a longa metragem mais apetitosa, pois estamos constantemente à procura das razões que levam as personagens a tomar certas decisões e comportamentos.

    Amanda Seyfried (Katie Davis) dá-nos uma performance arrepiadora, Aaron Paul (Cameron) conduz elegantemente o seu personagem, com pontos maravilhosos e fortes. Russell Crowe (Jake Davis) é adequadamente moderado como o personagem deste requer, apaixonado nas horas de convívio com Kylie Rogers (Pequena Katie) e um furacão emocional quando se trata dos seus problemas pessoais, como a sua doença.

    Com muitas outras personagens, estas não nos deixarão adormecer, aliás, serão elas que nos despertarão para a vida.
    Como sempre, um bom filme ensina-nos algo ou, pelo menos, acorda-nos para algo, que por vezes retiramos dos nossos pensamentos para que não tenhamos que lidar com eles.

    Aqui, os problemas são atirados à nossa cara e não será fácil desviar.

 

Espero que fiquem com muita vontade de ver Pais e FIlhas (Fathers and Daughters), se sim não se esqueçam de convidar os vossos amigos, partilhado sabe sempre melhor.

Aqui deixo o trailer.

Written by Daniela Maia

Entusiasta por tudo o que é belo, espetacular, sensível e por tudo o resto que me é difícil nomear.
Nasceu e vive, para já, em Portugal.

Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Loading…

Loading…

Comments

comments